Policial se mata ao vivo pelo Facebook e alega que não aguenta mais ficar sem receber o salário



Politico mata sem sujar as mãos. As falcatruas e roubalheiras que tomaram conta do país estão provocando mortes e não é possível escondê-las ou jogá-las para baixo do tapete.

A mais recente é a de um policial militar, Douglas de Jesus, 28 anos, que se matou ao vivo pelo Facebook e alegou que não aguentava mais viver sem receber o salário. Ele era funcionário público do Rio de Janeiro.

Como ele, muitos já se mataram por causa da crise econômica que atingiu o país. Crise causada pela roubalheira.

Na minha época de repórter fiquei sabendo de muitos suicídios e o jornal noticiou apenas aqueles que envolviam pessoas que de alguma maneira tinham um papel público na sociedade. A justificativa era que ao divulgar o suicídio você estaria incentivando a prática.


Agora, tudo mudou. As pessoas estão mostrando a própria morte pela Internet. Douglas de Jesus sofria de depressão, mas com certeza não foi só a doença que o empurrou para a morte. O sentimento de impotência de trabalhar todos os dias e não receber há vários meses o impulsionou para a morte.

Para mim, como mãe, trabalhadora e mulher também fica o sentimento de desilusão e de incredulidade diante de homens que foram eleitos pelo povo e que mancharam a própria honra por causa de dinheiro, que é necessário sim para sobreviver, mas não para o luxo. 

Essas pessoas se corrompem apenas pelo gosto de passearem com um carro caro, um relógio de marca ou um sapato de uma marca famosa e esquecem que a alegria da vida está nas pequenas coisas.Lamento pelo Douglas, mas também pelos políticos que ficarão na história como os maiores quadrilheiros da história do país.

Ao mesmo tempo, acredito que é preciso analisar o que vemos nas redes sociais e de que maneira esses fatos afetam a nossa vida. O Facebook está disponível para os nossos filhos a qualquer hora do dia. Vale a pena acompanhá-los, porque afinal não existe apenas fotos de felicidade na rede social. Todo cuidado é pouco para garantir a estabilidade emocional de nossas crianças.